Covenant Protestant Reformed Church
Bookmark and Share

Acerca da Supervisão da Mesa do Senhor: Estreita Comunhão

Uma carta de João Calvino acerca da supervisão dos presbíteros da mesa do Senhor:

"Caríssimos irmãos, uma vez que esta carta em grande parte refere-se a igrejas individuais entre vocês, nós decidimos que o mais conveniente a fazer é dar-lhes a nossa carta para compartilhar. Nós estamos a fazer isso não tanto para evitar trabalho mas de modo a evitar despender muitas palavras inutilmente em cartas individuais, e especialmente, para vos garantir que não estamos a dizer uma coisa numa carta e outra coisa noutra. Queremos que o nosso consenso seja divulgado a todos igualmente.

Ouvimos dizer que algumas pessoas estão descontentes quando são questionadas sobre sua fé, a fim de que, se forem achados ser mal instruídos na fé, seja negada a admissão à Ceia do Senhor, até que eles tenham feito mais progressos. Para aqueles que estão descontentes por este vosso rigor, nós dizemos que não devem ceder às suas maldades ou procurar indulgência num assunto que diz respeito à sua destruição. O parecer do apóstolo deve ser bem conhecido entre os cristãos, que quem come o pão do Senhor indignamente é considerado sacrílega [1 Coríntios 11:27]. Para uma pessoa utilizar o pão dignamente exige que ele deva examinar-se; o apóstolo claramente ensina que aqueles que são incapazes de se examinar não devem abordagem essa mesa.

Portanto, qualquer pessoa que se aproxima negligente da Ceia do Senhor, sem ser previamente instruída na fé, desperta a ira de Deus. Aqueles que são proibidos de a abordarem, por esta razão, não têm nada que queixar-se uma vez que sua salvação está sendo protegida. Se todos fossem sábios, todos podiam ser o seu próprio juiz, mas porque muitos prestam muito pouca atenção a si mesmos, é conveniente que a igreja tenha um procedimento definido, de modo que nunca falhe em prevenir os sacramentos de serem profanados.

Para todos serem admitidos à Ceia do Senhor, sem distinção ou selecção, é um sinal de desprezo que o Senhor não pode suportar. O próprio Senhor distribuiu a ceia aos seus discípulos apenas. Assim, alguém que não seja instruído na doutrina do evangelho não deveria abordar o que o Senhor tem instituído. Ninguém deve ficar angustiado quando o seu cristianismo é examinado até mesmo ao ponto quando está para ser admitido à Ceia do Senhor. Deveria ser estabelecido como parte da totalidade do estado e do sistema de disciplina que deveria florescer na igreja onde aqueles que são julgados indignos não devem ser admitidos.

Sabemos que esta parece uma novidade para aqueles que não mantêm uma distinção entre o jugo de nosso Senhor Jesus Cristo e da tirania do papado, mas é sua responsabilidade a busca da vontade do Senhor e submeter-vos a ela, em vez de afrouxar as rédeas dos vossos desejos. Mesmo o exemplo dos infiéis pode inspirar-nos com vergonha. Dado que eles não mostram essa reverência nas suas superstições que devíamos mostrar nos sacramentos, mas no entanto, reconhecem que os julgados de serem corrompidos por algum crime devem ser mantidos longe dos seus ritos supersticiosos.

Quando a Ceia do Senhor é proibida para alguém, ele não deve pensar que está excluído para sempre, ou que ele foi atirado para uma situação desesperada. O objectivo é para ele se humilhar a si próprio e para os outros aprenderem através dele. Tudo isto está estabelecido na Palavra de Deus, e pedimos ao Senhor por si para que você não tenha vergonha de sujeitar-se a um assunto que você sabe ser bom e santo."


Augustus Hopkins Strong: "Abrir comunhão logicamente conduz a abrir a adesão da igreja, e abertura para todos serem um membro da igreja, sem referência às qualificações exigidas nas Escrituras, ou sem exame por parte da igreja quanto à existência destas qualificações para aqueles que se unem a ela, é praticamente uma identificação da Igreja com o mundo e sem protestar a partir de organismos constituídos Biblicamente, iria finalmente resultar em sua efectiva extinção."

Tradução: http://soberanagraca.blogspot.com/

Para material Reformado adicional em Português, por favor, clique aqui.